Holanda e Bélgica

Atualmente temos na Holanda e na Bélgica quatro comunidades fora do generalato. Isto é bem menos do que no passado, devido à diminuição do número de fráteres. Por isso muitas comunidades foram fechadas. Mas não deixamos simplesmente as nossas casas para entrega-las aos outros; felizmente foi possível abrir algumas comunidades novas. Na verdade, queremos conscientemente continuar na construção da vida religiosa nesta região.

Comunidade Joannes Zwijsen (Tilburg)

Ao lado do prédio da administração central ou seja, o generalato, fica um grande centro com cuidados especiais para idosos, que recebeu o nome de nosso fundador. Entre outras funções este centro oferece abrigo para a comunidade Joannes Zwijsen, onde nossos irmãos idosos são acolhidos e onde em caso de necessidade, recebem cuidados de enfermagem. As comunidades do generalato e de Joannes Zwijsen foram construídas em ‘terra santa’ porque no passado era o local da Casa Mãe dos Fráteres CMM. Foi lá que em 1844 a congregação começou e de onde foram iniciadas muitas de nossas atividades apostólicas.

Comunidade Elim (Tilburg)

Está localizada na região oeste de Tilburg. Elim é o nome bíblico de um oásis no deserto. Assim Elim quer ser uma pousada na cidade, onde as pessoas podem respirar livremente e podem ganhar novas forças espirituais. Cada terça e quarta-feira a casa está aberta para uma refeição simples. Quem quiser partilhar um almoço com outros, conhecidos ou não, simplesmente pode entrar por volta de 12.15 horas. Os fráteres esperam desta maneira dar atenção àquelas pessoas que se sentem sozinhas e que têm necessidade de contato.  A comunidade Elim também organiza meditações, noites de cinema e oficinas sobre assuntos atuais.  No website do grupo Elim pode se encontrar um resumo da programação: www.elimgroep.nl

Comunidade Eleousa (Vught)

O nome ‘Eleousa’ é derivado de uma palavra grega, que significa: o misericordioso. Os membros da comunidade Eleousa estão envolvidos nas atividades do Centro de Formação e Retiros, chamado de “ZIN” e que fica ao lado da casa. Eles dão apoio também ao Movimento da Misericórdia na Holanda cujo secretariado fica nesta comunidade. O centro de retiros ZIN teve sua origem no desejo dos fráteres CMM para dar um novo destino ao antigo convento “Casa Steenwijk” na cidade de Vught e de acordo com sua tradição espiritual. Eles perceberam que na Holanda havia uma verdadeira necessidade de aprofundar a relação entre trabalho, sentido de vida e espiritualidade. Este centro de retiros tornou-se um lugar de inspiração, onde as pessoas falam sobre o sentido pessoal e social do trabalho. Além disso, cada verão o centro fica reservado por duas semanas para famílias sem meios financeiros de sair de férias. Os irmãos da comunidade Eleousa, juntos com voluntários, organizam para elas um programa de quatro dias com atividades variadas.

Comunidade de São João Berchmans (Zonhoven)

A primeira comunidade dos Fráteres CMM na Bélgica foi fundada em 1851 na cidade de Maaseik, seguida pelas comunidades  de Hasselt, Houthalen, Lanaken e Zonhoven.

A região CMM da Bélgica foi extinta em 2012 por causa da diminuição do número dos fráteres. Agora estão subordinados diretamente ao governo geral. Em 2013, o último fráter belga mudou-se para o centro dos idosos “Het Dorpvelt” em Zonhoven. Este centro foi construído no jardim da casa antiga dos fráteres, onde a comunidade São João Berchmans ficava.

Comunidade A Lareira (Udenhout)

Desde 1901, existe uma casa dos Fráteres que fica ao lado da igreja de Udenhout. A partir de então, os Fráteres da Escola Petrus deram educação católica e se envolveram plenamente na sociedade Udenhout. Você pode encontrá-los na Fazenda ‘União’, no clube de futebol SSS e no coral dos meninos. Nos últimos 20 anos, os Fráteres usaram o lema da vida “misericórdia” para os refugiados que esgotaram todos os recursos legais. Em De Vuurhaard, visitantes de todas as partes do mundo, que  fugiram por causa da violência de guerra, pobreza, opressão ou discriminação, encontraram um lar temporário No final do ano de 2019, este abrigo parou. Os Frátere ficaram velhos e os problemas físicos e psicológicos dos refugiados se tornam mais complicados. Isso deu muito mais trabalho para os Fráteres idosos, por mais dispostos que estivessem para fazer esse tipo de trabalho. O café para os refugiados, também, parou no final de dezembro. Em 2020 a comunidade foi fechada.